Resenha | “Light of the Jedi” de Charles Soule

Light of the Jedi lança a aguardada iniciativa A Alta República, o primeiro grande projeto da Del Rey, Marvel, IDW, Disney Publishing e outros parceiros. É também o primeiro romance canônico adulto a explorar uma era inteiramente nova de Star Wars. Embora alguns personagens anteriormente conhecidos façam breves aparições, praticamente nada se sabe sobre esse período de tempo. Portanto, ao contrário de quase todos os outros livros de Star Wars no cânone, não há nenhuma ironia dramática ou conhecimento prévio para se basear e prever que direção o livro pode tomar. É um território totalmente novo.

Situada algumas centenas de anos antes dos eventos de A Ameaça Fantasma, toda a era da Alta República foi projetada para nos dar uma visão de uma galáxia mais semelhante a uma fronteira e dos Jedi que estão no auge de seus poderes antes da decadência e destruição mostrados na Saga Skywalker.

A onda inicial de romances começa com um conflito central que é estabelecido neste primeiro livro. Há um desastre no hiperespaço: uma nave chamada The Legacy Run sofre uma catástrofe e se divide em centenas de pedaços. Os destroços resultantes saem do hiperespaço aparentemente ao acaso, causando destruição em todos os lugares. Claro, os Jedi são chamados para ajudar e se envolvem em mais coisas do que esperavam. As rotas de hiperespaço estão fechadas até que a causa do acidente possa ser determinada, e a inauguração da Starlight Beacon é atrasada.

Mas há mais nisso do que os Jedi presumem. Os Nihil, um bando de piratas que operam impunemente na Orla Exterior, são a força dominante nesta região da galáxia. Parecendo algo saído das histórias para assustar crianças, eles têm um segredo que os permite usar o hiperespaço de maneiras que os outros não conseguem compreender.

Enquanto a República usa todos os seus recursos para desvendar esses mistérios e os Jedi trabalham para proteger os povos de mais danos do desastre da Legacy Run, os Nihil são forçados a uma batalha decisiva contra os Jedi.


O livro começa forte e segue com a mesma intensidade até as últimas páginas. Soule é bastante talentoso quando se trata de construção de mundos: cada interlúdio planetário, interação na ponte e conversa entre os personagens é vividamente trabalhada.

Apesar disso, eu penei para acompanhar os novos personagens. Fazia visitas frequentes ao banco de dados do StarWars.com pra me lembrar de como eles era. São muitos, e a falta de uma relação no começo do livro pode prejudicar bastante os leitores de primeira viagem sem conhecimento prévio. Fica aí o link caso queira favoritar.

O livro está dividido em três partes. A primeira apresenta “O grande desastre”, que é o ponto de virada principal para a saga da Alta República; a segunda se chama “Os caminhos” e aterceira é “A tempestade”. Entre cada parte temos um interlúdio apresentando os Nihil, bem como o Conselho.

Embora tenha curtido como Soule escolheu estruturar Light of the Jedi, ser apresentado a tantos novos personagens de uma só vez pode ser um pouco opressivo. Leia cada parte e deixe-a absorver antes de prosseguir para a próxima. Os capítulos saltam entre diversos personagens, apresentando aos leitores alguns como Avar Kriss, Loden Greatstorm, Bell Zettifar, Burryaga Agaburry, Te’Ami e Mikkel Sutmani.

A era da Alta República é também a era de ouro dos Jedi. Eles são vistos como faróis de esperança, protetores e guardiães do bem. Ter o conhecimento de onde os Jedi acabam cerca de trezentos anos depois transforma tudo em uma leitura muito interessante. O sabre de luz não é visto como uma arma para derrubar inimigos, mas uma ferramenta para o bem. Mestre e Padawan são igualmente poderosos, e os Jedi trabalham juntos em prol de um objetivo comum.

Os Nihil, que se posicionam como os antagonistas da era da Alta República, são fascinantes. Gostei da forma como esses personagens foram apresentados e fiquei querendo saber mais sobre suas motivações, cultura e identidade dentro da galáxia.

Na questão de desenvolvimento, é esperado que alguns personagens sejam rasos e camadas surjam apenas para alguns dos personagens, tanto heróis e vilões. Ainda assim, mal posso esperar para ler mais sobre alguns dos Jedi aos quais fomos apresentados neste livro.

Light of the Jedi é uma introdução brilhante para uma nova era de Star Wars. Ele oferece ação em ritmo acelerado, apostas altas, certos personagens intrigantes e traça um curso para o desconhecido, que com certeza irá capturar a atenção dos leitores. Charles Soule oferece mais um ótimo conteúdo para a Saga, com extrema dedicação, cuidado e criatividade.

Que a Força esteja com essa nova era!