Confira trecho inédito do livro Battlefront II: Inferno Squad

Embarcando no hype de Battlefront II, o livro Inferno Squad chega dia 25 de Julho nos Estados Unidos (cerca de quatro meses antes do jogo), contando uma história um pouco diferente do que veremos no game. Na obra de Christie Golden, mesma autora do sucesso Star Wars: Dark Disciple, a personagem principal Iden será vista nos eventos seguintes de Rogue One, em que os rebeldes conseguiram com sucesso roubar os planos da Estrela da Morte. Já a campanha preparada pela EA focará nela como comandante do Inferno Squad, que se propõem a vingar o Imperador após a queda do Império em o Retorno de Jedi.

O trecho abaixo, divulgado pelo USA Today, resgata uma cena marcante da trilogia clássica. Os rebeldes estão prestes a destruir a Estrela da Morte, mas agora vemos o fato do ponto de vista de um piloto imperial que se preocupa com as pessoas a bordo daquela estação espacial. “Iden está no seu TIE fighter, apontando para os pilotos rebeldes que, por algum motivo insano, estão atacando diretamente a Estrela da Morte de perto. Neste momento, ela está cheia de confiança de que seu lado vai ganhar. O Império pode finalmente começar a trazer ordem e paz para a galáxia. Porém, não foi isso que aconteceu.“, diz Christie Golden.

Capa do livro Star Wars: Battlefront II Inferno Squad

“Atenção, pilotos”, se escutou a voz de seu comandante, Kela Neerik, no ouvido de Iden, e por um breve e lindo instante, Iden pensou que o comandante de esquadrão explicaria o que estava acontecendo. Mas tudo que Neerik disse foi “a Estrela da Morte agora está a seis minutos do alvo”.

Iden mordeu o lábio, perguntando se deveria falar. Não. Não, ela disse a si mesma, mas as palavras tinham uma vida própria. Antes de perceber isso, eles vieram.

“Respeitadamente, Comandante, com apenas seis minutos até a destruição da lua inteira, por que estamos aqui? Certamente trinta naves de uma pessoa só não poderão fazer nada parecido com os danos da Estrela da Morte nessa quantidade de tempo”.

“Tenente Versio” – a voz de Neerik era tão fria quanto o espaço – “não assuma que a posição do seu pai lhe oferece privilégios especiais. Estamos aqui porque Lord Vader nos ordenou que estivéssemos aqui. Talvez você gostasse de fazer sua pergunta pessoalmente quando retornarmos à estação? Tenho certeza de que ele ficaria encantado de explicar sua estratégia militar para você.

Iden sentiu um nó frio em seu estômago ao pensar em uma conversa “pessoal” com Lord Vader. Ela nunca o conheceu, felizmente, mas ela já ouviu muitos rumores inquietos.

“Não, comandante, isso não será necessário”.

“Eu pensei que não fosse. Faça o seu dever, tenente Versio.

Iden franziu a testa, então esqueceu sobre o assunto. Não precisava entender os rebeldes. Ela precisava apenas destruí-los.

Ela atacou a X-wing mais próxima e disparou. Os lasers verdes cortaram a nave inimiga, e então apenas pedaços e chamas flutuantes permaneceram.

Como se eles sentissem sua determinação renovada, os pilotos rebeldes subitamente aumentaram seu ataque. Houve um breve flash no canto da visão de Iden, e quando ela se virou para olhar, ela percebeu com surpresa que desta vez os destroços que se moviam em todas as direções eram negros.

Iden não sabia quem acabava de morrer. Os TIE Fighters eram tão uniformes que praticamente ficavam indistinguíveis uns dos outros. Seus pilotos não deveriam pensar em suas naves da maneira quente e confusa que os rebeldes eram relatados para fazer. Uma nave era uma nave era uma nave. E Iden entendeu que, no que diz respeito à maioria no Império, um piloto era um piloto era um piloto: tão descartável e intercambiável como as naves que eles voavam.

Nós todos servimos ao prazer do Imperador, seu pai tinha influenciando ela desde que tinha idade suficiente para compreender o que era um Imperador. Nenhum de nós é indispensável. Iden certamente viu as naves Imperiais derrubadas antes. Isso era guerra, e ela era uma soldada. Mas indispensável que seja condenado.

A metade do sorriso que ela tinha durante a maior parte do combate desapareceu, e Iden apertou os lábios com raiva. Ela virou, talvez em um toque tão violento para a direita e visou outra X-wing. Em poucos segundos, a nave explodiu em uma bola de fogo amarelo-laranja.

“Peguei você…” ela murmurou.

“Sem comentários, Versio”, advertiu Neerik, sua voz aumentando um pouco; mais quente do que fria, agora.

Iden alvejou a Y-wing mais próxima, mirou e a explodiu em pedaços. Observar os fragmentos do starfighter que se precipitavam de forma selvagem era uma pequena compensação pela morte de seus colegas pilotos.

“A Estrela da Morte está a dois minutos de ser atingida. Esteja ciente de sua distância do planeta”.

Ah, então foi por isso que Neerik estava fazendo a contagem regressiva. Iden teve que dar ao piloto da Y-wing um pouco de crédito pela coragem, embora ele tivesse sido tolo; a nave agora estava longe da Estrela da Morte a uma velocidade máxima. Eles estavam voltando para a lua de Yavin, escolhendo nobremente morrer com sua base, ou eles estavam apenas tentando fugir dela?

Não aconteceu, pensou Iden, e continuou a perseguição. Ela mirou a nave que estava em sua vista e disparou. Ela não desacelerou quando a nave explodiu, mas simplesmente a puxou para trás e envolveu-se sobre a bola de fogo e os detritos, ajustando-se diante da confusão do acidente e mergulhando suavemente o TIE fighter na frente do Y-wing para o tiro perfeito.

A forma de lua pálida da Estrela da Morte apareceu atrás da embarcação, seu tamanho gigantesco fazendo com que a nave rebelde se parecesse com os brinquedos com os quais ela brincava quando era criança. A Y-wing estava indo para Yavin o mais rápido possível, desviando-se erraticamente o suficiente para que Iden franzisse a testa enquanto tentava mirá-lo.

Um brilho repentino e escaldante tomou sua visão.

Temporariamente cega, Iden foi atingida violentamente, com seu TIE fighter saindo de controle. À medida que sua visão voltava, ela percebeu que os destroços estavam chegando a ela tão intensamente como se ela tivesse se materializado de repente dentro de um campo de asteroides. Seu foco, sempre poderoso, reduziu-se à precisão laser, enquanto ela esquivava e desviava freneticamente, manobrando em torno das maiores peças e desejando com toda a sua vontade que os TIE fighter tivessem escudos.

Iden girou e caiu, respirando profundamente e ritmicamente o oxigênio que continuava fluindo. Mas ela sabia em seu coração que era apenas uma questão de tempo. Havia muitos detritos, alguns deles do tamanho de um Escape Pod padrão, outros tão pequenos quanto o seu punho cerrado, e ela estava bem no meio disso. As peças menores já estavam penetrando seu TIE Fighter. Mais cedo ou mais tarde, um dos grandes pedaços a atingiria, e tanto o Tenente Iden Versio como sua nave não seriam mais do que manchas do que restava da lua de Yavin.

De alguma forma, ela vagou muito perto do alvo da Estrela da Morte e tinha sido acertada na varredura caótica de sua destruição – exatamente o que o comandante avisava anteriormente.

Mas como foi possível?

“Socorro, socorro”, Iden gritou, incapaz de manter a voz calma enquanto ela mergulhava desesperadamente para evitar o desastre. “Este é o TIE Sigma Three solicitando assistência. Repita, este é o TIE Sigma Three solicitando assistência, você copia?”

Silêncio. Silêncio absoluto, frio e aterrador.

1 comentário

    • TONI DRAMA em 23/01/2018 às 13:19

    Quando sai em pt-br? só consigo achar em inglês nas lojas online.

Comentários foram desabilitados.