contato@jedicenter.com.br
Template Cover Site

Trecho do livro Star Wars: Phasma é divulgado pelo site oficial

Integrante do selo Jornada para Star Wars: Os Últimos Jedi, o livro Star Wars: Phasma recebeu novidades nesta semana, divulgadas diretamente do site oficial da saga. Isso porque a obra escrita por Delilah S. Dawson será lançada no mercado americano já no começo de Setembro, logo no primeiro dia do mês. A história promete contar a origem da personagem e sua trajetória até a Primeira Ordem. Além disso, a HQ Star Wars: Captain Phasma, que também faz parte do projeto jornada, chegará logo depois no dia 6 de Setembro. Contudo, os quadrinhos darão destaque para os eventos pós Despertar da Força, mostrando outro período temporal de Phasma.

A seguir, confira em primeira mão o excerto completo e traduzido do livro da vilã:

Capa do livro Star Wars: Phasma

 

Phasma e seus guerreiros começaram a fazer os preparativos no momento em que viram a explosão no alto do espaço. À medida que os restos da nave atravessavam o céu, Phasma os rastreou com seus quadnocs, tomando bastante cuidado com a direção em que eles caíam. No mínimo, naves como esta poderiam ser saqueadas; no máximo, sempre haveria a esperança de que eles pudessem ser recuperados e conseguissem sair do planeta. Ninguém vivo tinha visto essas naves fazer qualquer coisa além de cair e bater, mas eram evidências da galáxia maior além de Parnassos, de um futuro que lhes fora negado. Foi doloroso viver em um planeta tão traiçoeiro com tantas lembranças sobre a facilidade e a tecnologia que alguma vez foram tomadas como garantidas. Pelo menos, haveria metal, tecnologia, roupas, medicamentos, alimentos e, possivelmente, blasters espalhados pelo que restava da nave. Essas foram as maiores riquezas do mundo de Phasma.

Mas eles tiveram que se apressar. Outros grupos em outros territórios também estariam vendo e se preparando para a viagem. As estrelas que caíam, como as chamavam, eram raras, e essa nave era a coisa mais brilhante que Scyre já havia visto – tão brilhante que eles tinham que proteger seus olhos enquanto se dirigiam para o planeta. Parte da nave apareceu e flutuou separadamente, movendo-se para a área onde os territórios de Scyre limitavam o clã do inimigo Claw, o que tornou ainda mais importante a pressa para fugir.

A jornada não foi fácil, assim como qualquer outra jornada em Parnassos. O território de Scyre era feito principalmente de torres de rocha negra, penhascos irregulares, saliências, cavernas e ocasionalmente piscinas feitas pela maré quando o oceano estava no seu nível mais baixo. Dentro de sua habituada sala de estar, eles mantiveram uma série de tirolesas, pontes de cordas, amarras, redes e camas suspensas, fazendo com que até mesmo o membro menos ágil de Scyre pudesse se locomover de um lugar para outro sem muitos problemas. Mas, além de sua base, ao longo da fronteira com o clã Claw (A Garra), o terreno ficou ainda mais perigoso. As pontes não eram firmes, e nunca se sabia quando um apoiador para escalar picos poderia estar enferrujado ou algum fragmento das torres de pedra poderia desmoronar do nada. Os guerreiros de Phasma tiveram sorte de que a nave caiu durante uma época de marés baixas, então eles conseguiram atravessar o terreno muito mais facilmente do que se as marés tivessem sido altas, para não mencionar que durante a maré alta, a nave poderia ter sido engolida pelo mar – ou por um monstro dentro dele.

Quando eles chegaram à linha de bandeiras que delimitavam as fronteiras entre os Scyre e a Claw (A Garra), Phasma interrompeu e puxou novamente seus quadnocs. Cinco figuras estavam sendo levadas para o planalto localizado terra abaixo. Usando as lentes, Phasma seguiu as pegadas e marcas de reboque para onde uma máquina de metal esperava, meio submersa na areia e ao lado de um enorme e amassado tecido. Era a parte da nave que surgira e flutuava suavemente para baixo. Os Scyre nunca tinham visto tanto tecido em uma peça em todas as suas vidas, e estava claro porque vários membros do clã Claw estavam lá embaixo, ocupados cortando as longas linhas que seguravam o tecido na máquina para que pudessem reivindicá-lo. A nave derrubada não estava à vista, mas longe, muito longe, através das areias e ainda mais nas pedras. Phasma rastreou a fina linha de fumaça branca que emergiu no céu, marcando o caminho rumo as verdadeiras riquezas.

Uma empolgação surgiu dos membros do clã Claw (A Garra) quando a primeira figura estranha foi levada para ficar em cima do planalto . Era um homem, e para Parnassos, ele usava roupas muito pequenas, apenas finamente tecidas, de uma suave, uniforme, preta e alta, botas brilhantes salpicadas de areia. Ele era a pessoa mais velha que o povo de Scyre já havia visto, com uma pele branca e cabelos ruivos e um pouco grisalhos nos cantos. Embora seus membros fossem esguios o suficiente, sua barriga era grande, e ele tinha olheiras em torno de seus olhos. Ele sorriu sem graça para os gritos e assobios dos integras do clã Claw, mas claramente não estava comemorando, pessoalmente.

Sem dizer uma palavra, Phasma guiou seu povo para a frente, fazendo um gesto para que eles ficassem quietos e se apressassem. Quando ficaram à beira do planalto, atrás da multidão dos Claw, tão hipnotizados que nem sequer perceberam os intrusos, Phasma e seu povo finalmente viram o milagre ocorrer.

O líder do clã Claw empurrou o homem gentilmente para o lado e se dirigiu a figura seguinte, um guerreiro vestindo uma armadura branca com uma areia cinzenta sobre um fino traje preto. Um suspiro se deu sob os membros do clã e os guerreiros de Phasma também. Essa armadura teria dado a Parnassos uma enorme vantagem sobre os elementos, e o capacete consistente parecia uma melhoria em relação às suas máscaras de couro. Mais dois soldados brancos blindados apareceram, e por fim veio um droide. Foi moldado vagamente como um humano e feito de metal preto fosco, e levou mais tempo para se locomover, devido, provavelmente, ao seu peso e sua incapacidade de escalar. O povo de Parnassos tinha visto os componentes de centenas de droides e até usado os metais deles para suas armas, mas ninguém vivo tinha visto um droide por vontade própria e segurado sua mão, como esse droide preto fez quando os membros do clã Claw tentaram tocá-lo.

O droide falou com o homem de preto com uma voz mecanizada. Era difícil ouvir no planalto, cercado de sussurros e rajadas repentinas de vento, mas o idioma parecia ser familiar e diferente ao mesmo tempo. O homem de preto respondeu para o droide, que por sua vez falou novamente, desta vez muito mais alto, sua voz projetada por algum tipo de maquinaria estranha.

“Meu nome é Brendol Hux, e tenho medo de que minha nave tenha sido derrubada por um sistema de defesa automatizado sobre seu mundo. Meu idioma é um pouco diferente do seu, então este droide traduzirá em seu dialeto mais primitivo.”

“Meu Emergency Pod pousou muito longe da minha nave. Perdi muitos do meu povo nesta horrível tragédia. Mas se você está disposto a me ajudar, posso lhe oferecer o tipo de tecnologia e suprimentos que seu mundo perdeu. Venho de uma organização poderosa conhecida como First Order (Primeira Ordem) que traz paz para a galáxia. Estou encarregado de vasculhar as estrelas pelos melhores guerreiros, para que eles possam se juntar a nossa causa. Nossos homens são bem cuidados e bem treinados. Pergunte aos meus soldados, aqui. Troopers, não é assim?”

Os três soldados de branco acenaram com a cabeça e vociferaram: “Sim, senhor!”

“Cada um desses guerreiros foi selecionado de um planeta distante e treinado para lutar pela Primeira Ordem. Se o seu povo nos ajudar a nos devolver a nossa nave, levarei qualquer um que desejar se juntar a mim e à nossa frota.. Esses soldados viverão em glória e riqueza, nunca mais sofrendo de vontades novamente. Agora, quem me ajudará?”

Os membros do clã Claw estavam de pé, mas uma nova figura apareceu ao lado de Brendol Hux, um guerreiro com uma máscara vermelha feroz.

“Eu sou Phasma, e eu sou a maior guerreira de Parnassos.” Removendo sua máscara, Phasma encarou Brendol e aguardou que o robô traduzisse. “Eu o ajudarei a encontrar sua nave”.

Fonte: starwars.com

Lucas Dirani

Fanático por Star Wars desde os 6 anos, teve o seu primeiro contato com a saga assistindo os filmes da trilogia clássica e jogando Super Star Wars de SNES. Atualmente escreve para o site Jedicenter e coleciona todos os materiais da franquia, desde livros/HQs até action figures.