contato@jedicenter.com.br
Palpatine

Retorno de Palpatine serviu como “tapa-buraco” após morte de Snoke

Parece que a morte de Snoke (Andy Serkis) em Os Últimos Jedi causou um certo desconforto no planejamento da LucasFilm com relação ao final da saga, já que a redenção de Kylo Ren (Adam Driver) estava prevista desde o inicio. Em entrevista ao site Award Daily, o roteirista Chris Terrio compartilhou essa informação.

[Com a morte de Snoke] O maior vilão da galáxia naquele momento era Kylo Ren. Precisava existir um antagonista que os mocinhos pudessem enfrentar, e foi aí que tentamos pensar em quem poderia ser a grande fonte do mal por trás de tudo esse tempo todo. Foi aí que chegamos a ideia de que haveria um velho mal que não teria morrido. A fonte do mal na galáxia é o espírito sombrio esperando vingança e escondido esse tempo todo. A entidade conhecida como Palpatine nessa versão – seu corpo morreu em O Retorno de Jedi – é paciente e tem esperado. Ele criou seu esconderijo e tem esperado pela chance de restabelecer sua dominação total.
Kathy [Kennedy, presidente da LucasFilm] tinha esta visão geral de que nós tínhamos que contar a mesma história por nove episódios. Ainda que você não necessariamente soubesse que era a mesma história”, continuou Terrio. “Ela pensou que seria um final muito forte para o nono filme. Então no Episódio VII e Episódio VIII você pensa que está assistindo uma coisa, mas o Episódio IX diz para você prestar mais atenção… você estava vendo outra coisa. Quando revemos os primeiros filmes, as coisas começam a fazer sentido. Ren e sua devoção a ideia de seu avô. A voz que ele sempre escuta em sua cabeça. Existem certas similaridades entre Snoke e Palpatine. A intenção era que, quando visse o Episódio IX, você percebesse as verdadeiras razões para tudo que acontecia. Isso mostra como essa história tem sido cíclica ao longo da série.

 

Marcelo Skywalker

Escória Rebelde do interior de São Paulo. Pode ser encontrado mais on-line do que na vida real pelo Twitter ou pelo Facebook