contato@jedicenter.com.br
Path Cover

RESENHA | “Darth Bane: Caminho de Destruição” de Drew Karpyshyn

A saga de Darth Bane é um excelente exemplo da natureza colaborativa, iterativa e cumulativa de contar histórias no Universo Expandido. A evolução da Ordem Sith foi contada através de muitas fontes até se tornar uma única narrativa sem um autor.

Star Wars: Uma Nova Esperança não faz nenhuma menção do título de Darth Vader, mas o termo Dark Lord of the Sith consta de fato no roteiro e em publicações de ligação como a novelização do filme. No desenvolvimento de Herdeiro do Império (1991), o autor Timothy Zahn tentou estabelecer os Sith como uma espécie de assassinos completamente a serviço de Darth Vader. A Lucasfilm rejeitou esta idéia, e os Sith se tornaram os Noghri. Com idéias de George Lucas, autor Tom Veitch começou revelando mais sobre os Sith nos quadrinhos Tales of the Jedi (1993). Eles eram praticantes do Lado Sombrio, a antítese da Ordem Jedi. Esta história de fundo revela que apenas um Sith pode usar o manto de Lorde Sombrio, enquanto outro Sith serve como um aprendiz, embora não houvesse nenhuma restrição sobre o número de Sith presente a qualquer momento. Tales of the Jedi: A Nadd Freedon Uprising (1994) usou o termo Civilização Sith, transformando-os em uma espécie. Os Sith seriam visivelmente representados como humanóides de pele vermelha em Tales of the Jedi: The Golden Age of the Sith (1996-1997).

O jogo da LucasArts, Dark Forces II: Jedi Knight (1997) e os quadrinhos e livros baseados na história descrevem uma luta épica pelo mundo antigo de Ruusan. O planeta é lar do lendário Vale dos Jedi, local de uma antiga batalha entre um exército Jedi da Luz contra a Irmandade da Escuridão. Os praticantes das trevas não são chamados explicitamente de Sith, e é dito que a batalha ocorreu “centenas e centenas de anos atrás.” Embora não era a intenção, esta história se tornaria uma peça essencial neste livro.

Em 1999, A Ameaça Fantasma, finalmente nos mostrou a visão de George Lucas sobre os Sith, que à primeira vista não parece se alinhar com o que já havia aparecido no Universo Expandido. Essa história canônica descreve uma limitação estrita a dois Sith de uma só vez, um mestre e um aprendiz, e estabelece que os Sith foram extintos por um milênio. Trabalhando com o autor Terry Brooks, Lucas revelou detalhes mais específicos na novelização do Episódio I. Dois mil anos no passado, um Jedi tinha deixado a Ordem para fundar os Sith. Mil anos depois, a Ordem Sith se desintegrou devido a lutas internas, e um único sobrevivente: Darth Bane implementou a Regra de Dois.

É aqui que a história dos Sith começa a coalescer. A extinção da antiga Ordem Sith fundiu-se com os contos de Ruusan, e Darth Bane tornou-se o único sobrevivente desse encontro, vivendo para fundar a nova Ordem Sith.

Darth Bane: Caminho da Destruição ocorre mil anos antes do tempo do Imperador Palpatine. Neste ponto da história, os Sith existem como alguns milhares de usuários da Força que juraram aliança ao Lado Sombrio e que comando um vasto exercito de soldados. Os Sith estão engajados em uma guerra contra a República e os Jedi, buscando dominação. O conflito está desolando diversos sistemas estelares tanto em suas reservas naturais como em seu povo.

Em meio guerra em curso um minerador solitário no planeta Apatros chamado Dessel encontra seu destino. Filho de um pai abusivo, preso em dívidas sem fim a uma corporação sem rosto, Des tornou-se difícil, cruel e vicioso para sobreviver na Orla Exterior. Embora ele sempre tenha tido sentimentos precognitivos, uma mudança violenta de eventos com um representante da República o coloca em fuga.

Des se une às legiões do exército Sith, trabalhando para se tornar sargento, quando seu verdadeiro poder com a Força é descoberto. Na Academia de Korriban, ele aprende os caminhos dos Sith, renunciando à sua vida passada e tomando o nome de Bane. Mas, enterrado nos antigos tomos da biblioteca do planeta, Bane descobre que aqueles que o ensinam perderam o caminho. Ele toma a si mesmo o dever de trazer a verdadeira Escuridão Sith de volta ao universo.

Dessel e o exército Sith

Caminho de Destruição é muito diferente da maioria dos livros do Universo Expandido. Contada inteiramente a partir de uma perspectiva Sith, traz os usuários do Lado Sombrio em foco muito maior do que qualquer outro conto. Enquanto os Sith são intrinsecamente doentios, é interessante que, como disse uma vez Obi-Wan, olhando por um “certo ponto de vista”, as perspectivas e lealdades podem ser radicalmente alteradas. Com toda a frustração e dificuldade que Bane passa, o leitor literalmente torce por ele enquanto ele traça seu caminho para o Lado Sombrio.

O romance é um conto histórico, apresentando uma versão mais antiga dos Jedi que são muito mais falíveis do que aqueles da era moderna. É interessante ver tantos tipos diferentes de Lordes Sith (um número surpreendente deles são Twi’leks), alguns trabalhando juntos, como o mentor de Bane, Kas’im e a Irmandade da Escuridão. Mas todos eles têm segundas intenções, planejando aumentar seu próprio poder a qualquer custo.

A Irmandade da Escuridão

O elenco de personagens também é único, desde a Jedi vira casaca Githany, que acredita poder se tornar a aprendiz inicial de Bane, até o líder do Exército de Luz, General Hoth, que tem lutado durante uma guerra há tanto tempo e está começando a se tornar alguém como seus inimigos. O livro também apresenta a história e o significado do título de Darth.

Adicionando um novo toque ao Universo Expandido, Darth Bane: Caminho de Destruição é uma leitura interessante e psicológica. Mostra que mesmo os usuários do Lado Sombrio possuem mais camadas do que o observador casual pode imaginar e nos mostra o muito questionado mistério de porque realmente haver apenas dois. Nem mais, nem menos.

Para saber mais sobre Darth Bane e os milênios anteriores à Saga, veja nosso especial Desvendando as Lendas, no capítulo 1: Contos dos Antigos Jedi e Sith.


O exemplar para esta resenha foi cedido pela Universo Geek.

Marcelo Skywalker

Escória Rebelde do interior de São Paulo. Pode ser encontrado mais on-line do que na vida real pelo Twitter ou pelo Facebook