contato@jedicenter.com.br
Lando

Primeira temporada de Rebels terá 16 episódios, Lando e Kenobi.

lando

Simon Kinberg é um nome novo no mundo de Star Wars, mas é um nome que muitos ouvirão nos próximos anos. Creditado como escritor de X-Men 3, Sr. e Sra Smith, Jumper, Sherlock Holmes e produtor de X-Men: First Class, Elysium, entre outros, ele é agora produtor executivo e roteirista de Star Wars: Rebels, além de estar escalado para trabalhar em futuros filmes da saga que não o Episódio VII. E foi em uma entrevista que deveria ser sobre X Men: Days of Future Past, onde é escritor e produtor, que Kinberg teve que responder duas perguntas sobre a vindoura animação de Star Wars ao Collider.

A primeira foi sobre qual o tamanho de sua participação:

Eu sou o co-criador de Star Wars Rebels, o produtor executivo do show e eu escrevi alguns episódios. Então quando isso for ao ar, será em um formato parecido com “o filme da semana” onde dois episódios passam seguidamente, e eu escrevi esses dois episódios. E aí eu escrevi o final de temporada que nós estamos produzindo agora… E aí como produtor executivo eu lerei todos os roteiros. Eu vou, às vezes, passar uma caneta neles e reescrever coisas nos roteiros que muitos escritores realmente talentos trabalharam em cima. Eu vou ver edições do programa, eu vou fazer observações do que eu penso em performance, trilha sonora ou animação, mas  eles tem um time espetacular de pessoas, muitas das quais vem de The Clone Wars, como Dave Filoni, que é uma das vozes criativas no programa. Então eles colocaram um grande time junto. Eles realmente sabem o que estão fazendo. E eu vou chegar, olhar para as coisas e dar uma opinião, e ocasionalmente irei escrever episódios. Então na primeira temporada eu sou responsável por escrever 3 episódios: os dois primeiros e o último.

O Collider editou a parte que Kinberg fala que haverão 16 episódios, mas para a nossa sorte, todo mundo já tinha visto. E a segunda foi sobre os rumores (praticamente confirmados) de que Billy Dee Williams voltará como Lando Calrissian em ao menos um episódio da série (antes que alguém surte, a imagem de Lando vem de Star Wars Detours):

Escrever diálogo para qualquer um dos personagens com um legado é  uma emoção tão grande como eu nunca tive na minha vida. Eu disse isso para Kathleen [Kennedy, produtora e presidente da Lucasfilm] que quando eu abro um documento escrito Rascunho Final e eu me viro para a parte de “Personagens” e é uma personagem dos filmes originais – que não deverão ser nomeados até que as pessoas os vejam – mas se é uma personagem dos filmes originais, apenas escrever aquelas letras e aquele ser o nome gravado naquela base de dados para aquele roteiro é surreal, e talvez mais do que qualquer coisa que eu passei na minha carreira.

Kinberg falou realmente no plural. Uma das personagens originais que foi confirmada é Obi-Wan Kenobi, através de um catálogo de brinquedos. Mas até agora nada se sabe sobre a participação do Mestre Jedi, nem quem fará sua voz, se Ewan McGregor  ou se – mais provável – James Arnold Taylor, que fez a voz nas duas animações baseadas nas Guerras Clônicas.

Em outra entrevista, esta específica sobre Rebels, Dave Filoni fez várias declarações interessantes ao Empire Online. Seguem as partes mais interessantes:

Em termos operacionais, existe um centro de comando de Star Wars? O que você está trazendo é canonicamente oficial, então vocês tem que coordenar com o lado da tela grande? Eu imagino que Simon Kinberg é meio que um conduíte para isso.

A resposta seria sim. Eu sei de coisas que estão acontecendo em toda a galáxia de Star Wars. O mesmo time de histórias que está colaborando com os filmes está colaborando comigo também, então eu tenho um link direto com tudo o que está acontecendo, o que é incrivelmente excitante, mas também incrivelmente estressante devido a todos os segredos que agora nós carregamos em nossas unidades astromechs.

Uma coisa que eu realmente amo sobre a Lucasfilm é que quando trabalhava com George Lucas é que ele nunca tratava um programa de TV animado como algo menor do que os gigantescos filmes que ele trabalhava. Para ele era tudo parte da mesma história que ele estava pintando com um pincel diferente no mundo da animação. Kathleen Kennedy, e seu tive que veio junto, sentem o mesmo, então é importante para nós como um grupo de criadores que todas as histórias de Star Wars que nós estamos fazendo tenham um nível de canonicidade que trabalhe umas com as outras. Isso é uma coisa excitante. Eu acho que é isso que os fãs querem e eu amo trabalhar com times criativos que apreciam isso e tomam tempo para fazer tudo isso acontecer, porque você pode imaginar que é um temendo esforlo ter todas essas histórias acontecendo o tempo todo.

Falando sobre gerações, são Stormtroppers ao invés de Clonetroopers nessa série?

Oh, eles estão usando Stormtroopers, sim. Eu vou dar a grnade explicação nerd.

Por favor!

Na minha opinião, tendo feito The Clone Wars e agora trabalhando com Stormtroopers, eu diria que um Clone trooper poderia vencer um Stormtrooper com certa facilidade. Um Clone trooper era criado, nascido e crescido para ser um soldado. Sorte deles que os Jedi deram a eles muita personalidade, mas eles eram soldados muito dedicados. Já Stormtroopers eram arrastados para o serviço; você podia entrar através de academias. Se você vê A New Hope eles estão parados e dizem “Ei, você viu o novo BT-16?” Eles parecem interessados no trabalho deles, mas você questiona a dedicação. Eles são tratados como descartáveis pelo Império e eles definitivamente não conseguem atirar em nada.

Quando Obi Wan diz, ‘Somente as tropas imperiais são tão precisas”, eu acho que ele está concluindo isso do fato de que ele costumava lutar ao lado de clones, então ele assume que um Stormtrooper é realmente bom. Para sua grande surpresa, esses caras não conseguem acertar uma unidade R2 em um hall aberto, quanto mais serem precisos. Então eu gosto de Stormtroopers, eu os acho bem interessantes. Os Stormtroopers tem melhores equipamentos, melhores armas, mas é uma guerra diferente que eles estão travando daquela que os clones estavam.

Essa parte acima tem gerado discussões entre os fãs americanos, visto que dá uma indicação do que esperar do comportamento dos Stormtroopers em Rebels. Porém, há de se notar que na TC os Storms realmente não conseguem acertar nada. Filoni falou ainda sobre o Jedi Kanan, Vader e o Imperador:

Uma coisa que também é excitante sobre esse programa é que, apesar de estar em uma era que não esperamos ver nenhum Jedi, nós vemos Kanan com um sabre-de-luz.

Sim, você verá um sabre-de-luz envolvido. Mas nós tentamos escolher nossos momentos de quando temos uma batalha aberta com sabre-de-luz, para fazer isso uma coisa realmente especial para o programa. É um momento de personagem acima de tudo. Por exemplo, pense sobre isso: Luke nem chegou a lutar com sabre-de-luz em A New Hope. Obi-Wan fez brevemente contra Vader, mas nós não vimos uma luta completa de sabre-de-luz com Luke Skywalker até The Empire Strikes Back. E quando ele realmente confronta Vader é um erro gigantesco pois ele aprende quão fora ele está. Nós tentamos fazer todas estas lutas não apenas sobre combates ou espadas; é sobre um momento voltado à pernsonagem que diz para a audiência algo sobre onde estamos indo.

Darth Vader e Palpatine vão aparecer em algum momento?

Eu não posso dizer especificamente. Tudo o que posso dizer é que esse período, entre os Episódios III e IV, é um período de tempo dominante para o Imperador – e para Darth Vader, nesse sentido. Eles controlam a galáxia através do medo e nossos Rebeldes são insignificantes para eles. Mas é para seu próprio fim que eles não reconhecem o espírito de indivíduos e o que esse espírito pode adicionar na luta contra o Império.

Então há uma presença de poder, de medo e de poder físico, que o Império representa. Você sabe que eu sempre penso sobre o Imperador pois em A New Hope eles falam sobre o Imperador mas você nunca o vê. E aí em Empire você tem uma visão dele em um holograma, mas você não sabe realmente quem ele era, então finalmente quando ele se revela eu quase pensei como criança, “Uau, ele é só um cara velho com uma bengala!” Eu lembro que quando ele confronta Luke Skywalker ele na verdade não usa a bengala mais, e você percebe que ele é muito manipulativo e muito mau e ele é o mestre das teias.

Esse é o Imperador que eu quero ter, que Simon [Kinberg] e Greg [Weisman, o terceiro produtor executivo] querem também, em Rebels. Nós queremos ter um Imperador que está por trás das cenas e tão elevado em seu poder que seria necessário muito para atrair esta aranha para fora, para as bordas da teia que ele teceu. Nossos Rebeldes são pequenas moscas e eles acertam a teia e ela vibra, então em primeiro lugar você receve um certo nível de oficial imperial atrás de você. Aí, se você causa uma vibração maior, você consegue um nível maior; talvez um Inquisidor aparece. Você precisa realmente iniciar a desmontar a teia antes que consiga atrair Vader e em ultimo caso o Imperador, e, você sabe, boa sorte para os nosso caras se eles atraírem esse tipo de atenção.

Mestre Yoda

Mestre Yoda na verdade se chama Jair e é um engenheiro nerd que se pudesse ganharia dinheiro com Star Wars. Como não pode, fica enfiado nos detalhes do Universo Expandido e das obras para telinha da saga o máximo que pode. Só vê uma possibilidade de Star Wars ser melhor do que é: The Beatles como trilha sonora!