contato@jedicenter.com.br
Template Cover Site

OS ÚLTIMOS JEDI | Poderia Rey salvar Luke de sua própria escuridão?

Talvez a única coisa mais inquietante do que conhecer o seu inimigo é ficar cara a cara com o seu herói.

Foi aí que a saga nos deixou no final de O Despertar da Força, com Rey parada em cima de uma ilha escarpada e varrida pelo vento, segurando o sabre de luz familiar de Luke Skywalker, o homem que ela conhecia apenas como uma lenda. Mas em Os Últimos Jedi, ela realmente tem que percorrer muito mais para encontrar o guerreiro que inspirou todas aquelas velhas histórias.

Este não é o Luke sobre o qual ela já ouviu falar. Ele também não é o Luke que conhecemos.

Este é um homem quebrado. Aquele que teria preferido ficar perdido. E ele sente a mesma coisa sobre esse sabre de luz.

“O fato de Luke dizer: ‘Eu só conheço uma verdade. É hora de os Jedi acabarem’ Essa é uma afirmação bastante surpreendente para alguém que foi o símbolo de esperança e otimismo nos filmes originais”, Mark Hamill conta a EW.

“Quando eu li (o roteiro) pela primeira vez, meu queixo caiu”, diz o ator. “O que faria alguém se alienar tanto de suas convicções originais? Isso não é algo que você pode fazer em uma tarde, e eu realmente lutei com isso.”

Luke definitivamente não dá a Rey a calorosa recepção que recebeu quando ele foi em busca do Ben Kenobi de Alec Guinness no original de 1977. Ela é avisada. Ela é dada uma explicação. Mesmo assim…

“Ela é tão esperançosa para tudo”, diz Ridley. “E, obviamente, há uma sugestão de ‘O que diabos?'”

Essa rejeição atinge os problemas de abandono de Rey. Duramente.

Como sabemos, a jovem catadora foi abandonada como uma criança no mundo de Jakku por pais desconhecidos e ficou lá por anos sobrevivendo por conta própria. Mas ultimamente, ela se acostumou a fazer amigos rápidos, como BB-8, Finn, Chewbacca e General Leia Organa. Até o assassino Kylo Ren ficou fascinado por sua força e resiliência depois de seqüestrá-la.

“Independentemente de tudo, ela foi bem-vinda. Ninguém realmente se afasta dela “, diz Ridley.

Isso muda quando ela chega em Ahch-To.

A recusa de Luke faz que com que Rey perca o calor de Han Solo, diz Ridley, dando uma visão na cabeça de seu personagem: “Oh meu Deus, esse outro homem que perdi dentro de alguns dias era um pouco de figura paterna. Agora ele se foi, e, em vez disso, estou com esse cara mal-humorado em uma ilha e ele não me quer aqui”.

Mas Ridley diz que Rey também está colocando grandes expectativas em Luke. Ela chega na ilha de Ahch-To, local de um primitivo templo Jedi, para não se tornar um herói, mas para empurrar Skywalker de volta à luta.

“Eu não acho que uma garota, que ele não conhece, aparecendo com um sabre de luz vai fazê-lo pensar, ‘Ah merda, sim, é claro que eu vou voltar para a ação'”, diz Ridley. .

“Mas ele não a conhece?”, Diz Hamill em entrevista separada.

Essa é uma questão que os fãs da Star Wars vem debatendo há dois anos. Logo eles conhecerão a resposta.

Uma grande parte do futuro de Rey será descobrir seu próprio passado: quem está conectado a ela? De onde ela veio? E por que ela foi afastada?

Star Wars: The Last Jedi
Rey (Daisy Ridley) e Luke Skywalker (Mark Hamill)
Creditos: Jonathan Olley/ILM/© 2017 Lucasfilm Ltd.


Quando ela tenta juntar suas próprias peças, ela pode achar que elas se encaixam bem com os restos de Luke Skywalker. Trabalhando juntos, eles podem tornar-se inteiros novamente.

Isso não vai ser fácil para os fãs. Não foi fácil para Hamill.

Ninguém quer que seu herói favorito seja reduzido, mas vale a pena lembrar: Star Wars sempre começa com “Há muito tempo”, mas não termina com “felizes para sempre”.

Se houver mais histórias, deve haver conflito, trauma, cicatrizes. Um herói não pode permanecer a mesma figura triunfante que ele era décadas antes.

O diretor e escritor, Rian Johnson, herdou um Luke Skywalker que havia se banido, mas, além das dicas nebulosas de uma academia Jedi que foi destruída no filme de J.J. Abrams, ninguém conseguiu uma explicação completa para o desaparecimento do personagem.

“O primeiro passo para escrever isso foi descobrir por que ele está naquela ilha”, diz Johnson. “Nós sabemos que ele não é um covarde. Ele não está apenas se escondendo porque está assustado. Mas também sabemos que ele deve saber que seus amigos estão em perigo. Ele deve saber que a galáxia precisa dele. E ele está sentado nesta ilha no meio do nada. Tinha que haver uma resposta. Tinha que ser algo em que Luke Skywalker acredita que está fazendo o que é certo – e o processo de descobrir o que é será a jornada de Rey “.

O Despertar da Força nos disse que o filho de Han e Leia, Ben Solo, virou-se para o lado sombrio e matou seus colegas na nova academia Jedi de Luke – e depois se juntou à Primeira Ordem sob o nome de Kylo Ren. Mas não explicou por que Luke sentiu que era melhor isolar-se do que continuar a lutar contra o seu antigo aprendiz.

Hamill insinua que Luke começou a duvidar de sua própria conexão com a Força, perguntando-se se ele já estava interpretando isso todo esse tempo.

“[Luke] cometeu um grande erro ao pensar que seu sobrinho era o escolhido, então ele investiu tudo o que ele tinha em Kylo, bem como Obi-Wan fez com meu personagem”, diz Hamill. “E ele é traído, com consequências trágicas. Luke se sente responsável por isso. Esse é o principal obstáculo que ele tem para se juntar ao mundo e seu lugar na hierarquia Jedi, sabe? É essa culpa, esse sentimento que é culpa dele, que ele não detectou a escuridão até que fosse tarde demais”.

Mas há mais do que sabemos. Há também mais do que o filme em si revelará…

“Há quantidades enormes de história de fundo que é deixada para sua imaginação e eu não poderia fazer o meu trabalho sem descobrir o que era”, diz Hamill. “Uma vez que não é realmente importante para a história principal como um todo, muito é apenas para o meu próprio processo. Eu conversei com Rian sobre isso e entrei nesse elaborado cenário do que aconteceu com Luke após o fim do Retorno de Jedi”.

O que sabemos com certeza é que Luke está descobrindo que não há nenhum lugar onde ele possa correr que lhe permita escapar de si mesmo.

Ele é mais velho agora, da mesma idade que Obi-Wan Kenobi estava no filme original, mas de muitas maneiras Luke ainda é essa silhueta que lembramos de pé sobre as rochas, olhando para os sóis gêmeos de Tatooine.

“Eu acho que ele provavelmente olha para o horizonte e deseja que ele possa ser mais eficaz, poderia ser o que Obi-Wan queria que ele fosse”, diz Hamill. “Mas a vida é imperfeita e, sem conflito, não há drama. Acredite, você verá muitos conflitos no filme. Isso é de certeza.”

Seus sonhos são diferentes agora. Menos esperançoso. Mais arrependido.

Mas, lá no fundo, o fazendeiro que virou o guerreiro que virou o exilado também gostaria de conhecer o herói conhecido como Luke Skywalker novamente.


Artigo traduzido da Entertainment Weekly, confira o original aqui.

Marcelo Skywalker

Escória Rebelde do interior de São Paulo. Pode ser encontrado mais on-line do que na vida real pelo Twitter ou pelo Facebook
  • Alesith

    Boas histórias são sempre recheadas de dramas e conflitos. seria interessante ver um Luke Paizão , mestre de uma nova ordem jedi ,enfrentando desafios previsíveis no cinema ?