contato@jedicenter.com.br
RebelRisingNovel696

Leia trecho exclusivo do livro Star Wars: Rebel Rising

Lançado no final de 2016, Rogue One: Uma História Star Wars foi um sucesso de bilheteria e crítica. Acompanhado dos números positivos, diversos elementos interessantes acabaram sendo introduzidos no primeiro spin-off da franquia. Entre esses componentes positivos, podemos citar com certeza os personagens principais do filme, em especial a protagonista Jyn Erso, que mesmo não tendo o mesmo brilho de outras heroínas do universo, não deixou de registrar o seu legado.

Durante os acontecimentos da história anterior ao Episódio IV, ficamos sabendo que Jyn viveu grande parte de sua adolescência com Saw Guerrera,  o qual acabou abandonando a jovem Erso quando começavam a suspeitar que ela era filha de um cientista imperial (Galen Erso). Contudo, somente isso nos foi revelado a respeito da personagem, deixando um enorme espaço a ser explorado em outras mídias. E por conta disso, o livro Star Wars: Rebel Rising, lançado hoje nos Estados Unidos, ficou encarregado de explorar o passado de Jyn Erso antes de Rogue One.

Como a obra escrita por Beth Revis já está disponível, naturalmente trechos do enredo começaram a aparecer na Internet. Para os interessados, o Jedicenter traduziu a partir do Entertainment Weekly uma parte inicial da narrativa:

Capa do livro Star Wars: Rebel Rising

Jyn sentou-se ao lado de Saw na cabine de sua nave. Ela olhou fixamente para fora da janela, observando como eles voaram através das nuvens de Lah’mu. O anel que circundava o planeta em um arco-íris branco constante arqueava sobre a cabeça, e então eles ultrapassaram a atmosfera. O céu ficou negro, salpicado de estrelas brancas, e um brilho de luz solar retido no cinturão do planeta se tornou visível.

Jyn ficou ofegante.

Saw se dirigiu para onde ela estava olhando e assentiu sombriamente. Um Star Destroyer pendia na escuridão do espaço, e a parte dianteira da nave era iluminada pelo sol.

Eles enviaram um Star Destroyer para o seu pai.

Papai está naquela nave, Jyn percebeu, seus olhos se arregalaram. Ele estava em algum lugar, em algum lugar, apenas fora do alcance, mas tão perto.

Saw estava ocupado nos controles. Sua nave era tão pequena em comparação com o Star Destroyer, uma pulga ao lado de um gigante, mas ele estava murmurando maldições, informando a Jyn que ele estava preocupado em ser visto. Em segundos, eles estavam bem além do Destroyer e, em poucos minutos, eles se lançaram para o hiperespaço. O raio de luzes azul-cinzento da janela fez Jyn piscar, com força, sua visão se desvanecia não apenas com a luz, mas com as lágrimas não derramadas que estavam se formando em seus olhos.

“Ei, garota”, disse Saw, girando sua cadeira para que ele pudesse ver Jyn completamente. “Eu…”

Ele parou. Jyn sabia que ia dizer que estava arrependido, mas havia algo em seus olhos que a fez perceber que sabia o quão inúteis eram aquelas palavras.

Ela olhou para seu rosto, pensando em suas lembranças de que ele era engraçado e gentil. Sua pele escura fez com que as cicatrizes franzidas perto de seu olho se destacassem. Ele parecia irritado. Exceto pelos olhos dele.

“Eu não quero falar sobre isso”, disse Jyn, puxando seus joelhos até o queixo dela e envolvendo seus braços ao redor de suas pernas.

A expressão de Saw ficou mais dura. – “Muito ruim” – disse ele – , “porque eu preciso saber o motivo do Império ter vindo atrás de seu pai assim.”

“Você sabia porque meus pais se esconderam”, disse Jyn.

“Eu sabia algumas coisas. Mas eu não tinha ideia de que eles iriam mandar um Star Destroyer atrás dele.”

Jyn teve que admitir que ela estava um pouco surpresa, também. Ela sabia que seu pai era importante e que ele tinha trabalhado como cientista para o Império antes de fugir de Coruscant e se esconder em Lah’mu. Ela sabia algo do que ele fazia. Mamãe e papai haviam dito para nunca contar a ninguém sobre a pesquisa de Papa, mas ela podia confiar em Saw. Mamãe confiava.

“Ele estudou cristais” – disse Jyn, puxando o colar que sua mãe lhe dera sob a camisa. Ela deslizou sobre sua cabeça e entregou a Saw quando ele estendeu a mão.

Ele virou-o em sua palma e segurou-o para a luz, olhando para o cristal transparente. Era, Jyn sabia, um cristal kyber. Não um muito bom, não um que valia muito dinheiro. Papai trabalhava com ótimos cristais de kyber quando trabalhava com o Império. Ele gostava de pedras.

“Eu sei sobre os cristais”, disse Saw, entregando o colar de volta para Jyn. “Mas seu pai deve ter trabalhado em outra coisa, algo mais concreto. Algo que eles querem. O Império não liga tanto assim para os cristais. “

“Isso é tudo em que ele trabalhou”, ela insistiu.

“Que você saiba” – disse Saw, sombriamente. “Ele disse alguma coisa quando o Império veio? Qualquer coisa, talvez ele tenha lhe dito algo que poderia ser uma pista.

Jyn fechou os olhos. Ela ainda podia ouvir a voz de seu pai. Jyn, o que quer que eu faça, ele disse, eu faço isso para te proteger.

E então ele foi com o homem que matou a mamãe.

“Não,” Jyn disse para Saw.

Saw se virou para a janela e olhou para a luz azul-cinza do hiperespaço. “Há algo mais aqui” – ele disse, principalmente para si mesmo. “Desde Coruscant, Galen tem trabalhado em algo grande, eu sei. Temos de descobrir o que era”.

Jyn sentiu as lágrimas queimarem em seus olhos. Seu pai estava trabalhando em um droide de ceifeira na noite anterior à chegada do Império. Não era um grande segredo. Mas ela sabia que Saw estava certo. Mamãe e papai conversaram sobre isso, tarde da noite quando pensavam que Jyn estava dormindo. Pesquisas e cristais e medos. Ela desejava ter prestado melhor atenção. Desejava poder pelo menos entender por que tudo isso estava acontecendo.

Ela se forçou a se lembrar do jeito que as coisas costumavam ser. Em Coruscant, quando seu pai tinha trabalhado abertamente para o Império. Ela era pequena, e facilmente distraída, mas mesmo assim ela sabia que seus pais não estavam felizes. Quando se mudaram para Lah’mu, as coisas pareciam melhores. Mais relaxadas. Mamãe a ensinava todos os dias, matemática, ciência, literatura e história. Papai trabalhava nos campos, e à noite continuava sua pesquisa, mas não era como em Coruscant. Ele não trabalhou até que desmoronou, murmurando para si mesmo, ignorando-a. As coisas estavam melhores.

Mas ainda havia essa corrente de medo. Ele cravou ocasionalmente, quando a torre de comunicação pegou estática, ou quando Mama e Papa insistiram que eles tinham uma broca de segurança. Eles inventaram cenários de coisas ruins que poderiam acontecer e disseram a Jyn o que fazer. Papa gostava de fingir que era um jogo, mas Jyn sabia melhor.

Não havia um cenário para se mamãe morresse, pensou Jyn. Eles tinham muitos planos, mas nenhum deles terminou com Jyn sozinha. Eles se esconderiam, correriam, sobreviveriam. Juntos. Mamãe nunca tinha pensado no que aconteceria se ela morresse e Jyn se afastasse de casa através do hiperespaço.

Mas quando ela olhou para Saw, ela sabia que não era verdade. Ele era o plano de seus pais se o pior acontecesse. Eles não queriam dizer isso a ela; Eles não haviam desejado que ela pensasse em como as coisas podiam ser ruins, mas Jyn sabia que era verdade.

Saw era a sua última esperança.

Seus olhos estavam vermelhos, e ele suspirou pesadamente enquanto passava uma mão sobre sua cabeça lisa. Como se ele pudesse sentir seus olhos, ele olhou para Jyn, e ele tentou lhe dar um sorriso tranquilizador. Mas então ele disse: “Eu não sei o que fazer com você, garota”, e qualquer conforto que ela sentiu desapareceu.

Lucas Dirani

Fanático por Star Wars desde os 6 anos, teve o seu primeiro contato com a saga assistindo os filmes da trilogia clássica e jogando Super Star Wars de SNES. Atualmente escreve para o site Jedicenter e coleciona todos os materiais da franquia, desde livros/HQs até action figures.