contato@jedicenter.com.br
S04e070809

Iniciando uma Rebelião #51 – s04e07-09 – Kindred, Crawler Commandeers & Rebel Assault

Demorou, mas chegou! Review triplo para os últimos episódios de 2017 de Star Wars Rebels, com direito até a X-Wing e beijo!

Lembrando sempre que este review assume que você já viu o episódio ou que não se importa de ler spoilers.

Clique aqui para os episódios anteriores.

Nota  do M’Y – Kindred: 7.0 (0 até 10)

Nota  do M’Y – Crawler Commandeers: 4.0 (0 até 10)

Nota  do M’Y – Rebel Assault: 8.5 (0 até 10)

 

Trilha Sonora – Kindred: Kanan’s Past (link)

Curiosidades – Kindred:

  1. Rukh apareceu pela primeira vez em 1991 no livro Herdeiros do Império, de Timothy Zahn, o mesmo livro que introduziu aos leitores o Grão-Almirante Thrawn. A representação visual de Rukh variou muito ao longo das décadas – algumas ilustrações o têm como uma criatura enorme e cinzenta, enquanto outros o têm mais pequeno e rígido como o romance descreve. Este episódio é a sua primeira aparição em conteúdo cinematográfico.
  2. Quando Timothy Zahn desenvolveu sua trilogia de livros, ele criou a ideia de que Rukh era um membro de uma espécie chamada Sith, como uma maneira de explicar exatamente o que significava para Darth Vader ser um “Senhor Negro dos Sith”. Isto era antes que fosse um conhecimento comum que os Sith eram uma seita do lado negro, oposta aos Jedi. A Lucasfilm rejeitou essa ideia e, em vez disso, Zahn inventou a espécie Noghri.
  3. Este episódio marca a estréia da governadora Pryce em armadura de combate, seguindo o que aconteceu anteriormente com Tarkin e Thrawn em equipamentos semelhantes, todos com base no visual do General Veers do The Empire Strikes Back.
  4. Os segredos espirituais escondidos em Lothal, que são insinuados em seu episódio pelas habilidades misteriosas dos Lobos-Loth, baseiam-se em um alerta da Governadora Maketh Tua antes de sua morte na segunda temporada.

O Episódio – Kindred: O episódio começa com Kanan meditando e pensando que mesmo antes de conhecerem Ezra, a tripulação da Ghost continuava sempre sendo atraídos para Lothal. Thrawn envia Rukh (contra a vontade da governadora Pryce) para ajudar a localizar os rebeldes e o hiperpropulsor do TIE-Defender e logo que ele chega já sente cheiro de lasat. É aí que a roupa de scout trooper não ajuda em nada, e obriga Ezra e Jai Kell a fugirem em motos, enquanto Zeb utiliza um approach mais direto: roubar o transporte imperial.

De volta ao acampamento rebelde, Kanan tenta novamente entender até quando Hera seguirá a Rebelião e deixará o relacionamento deles de lado. E mais uma vez não vemos o beijo que o fandom espera desde a primeira temporada, pois Ezra, Jai e Zeb chegam. O problema é que os dois jovens esqueceram de verificar se estavam sendo rastreados. Mas o beijo vem logo depois, quando Hera está partindo com a U-Wing que Sabine consertou com o hiperpropulsor do TIE. E o beijo era tão esperado que até Sabine, Ezra e Zeb ficaram olhando!

Quando os rebeldes estão sem opções, o lobo-loth branco aparece novamente e os lidera até uma caverna. Eles param e os lobos demonstram que estavam esperando por Kanan. Após passarem pelo que parece uma outra dimensão, os rebeldes dão de cara com o loth-cat branco ao acordar no hemisfério sul do planeta. O lugar onde eles aparecem é parecido com o Templo Jedi e novamente o lobo fala “Dume”, de Caleb Dume, nome original de Kanan. Há algo mais sinistro ocorrendo em Lothal e Kanan não gosta de onde isso vai dar. O episódio acaba com Hera chegando em Yavin IV e entregando a “caixa preta” do TIE.

Opinião do Jair Yoda – Kindred: Esse foi um episódio que aumentou perguntas que não foram ainda resolvidas nesta metade de temporada (escrevo isso já tendo visto os episódios 8 e 9). A posição de Kanan no acampamento rebelde é clara: ele está na Rebelião pois ama Hera, o que talvez seja um indicativo a mais de que essa relação não acabará bem para o Jedi. O indicativo principal é que os lobos querem ele por algum motivo, além do óbvio fato de que ele não está por aí quando Luke se torna um Jedi e Hera está.

 

Trilha Sonora – Crawler Commandeers: Brawling the Bruiser (Link)

Curiosidades – Crawler Commandeers:

  1. Os títulos de trabalho para este episódio incluem: “Impacto direto”, “Assalto ao Crawler” e “Crawler Commandeers”.
  2. O design para o crawler de minério é baseado nos World Devastators, massivas fábricas automatizadas voadoras usadas como máquinas de destruição na série de quadrinhos de 1991-1992, Star Wars: Dark Empire, escrita por Tom Veitch e ilustrado por Cam Kennedy.
  3. As especificações técnicas da elite do TIE-Defender em Aurebesh são: “Dados técnicos contidos nesta transmissão foram classificados como altamente secretos pelo Comando Imperial: eyes only”.
  4. O capitão Seevor está ouvindo a mesmo balada rock que Zeb escuta no episódio da segunda temporada “The Mystery of Chopper Base”.
  5. O corpulento mestre dos escravos com quem Zeb luta é chamado “Proach”, como uma homenagem para Pat Roach, o ator que interpretou o sherpa gigante e o primeiro mecânico em Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida e o guarda-chefe Thug em Indiana Jones e o Templo da Perdição.
  6. Protocolo 13 – a evacuação de pessoal de uma base ou instalação imperial – é o que o Império usa para retirar suas forças de Jedha antes do teste da Estrela da Morte.

O Episódio – Crawler Commandeers: Sabine não consegue se comunicar com outros planetas, mas é capaz de descobrir um um crawler que é capaz de comunicações à longa distância. Em Yavin IV, Hera tenta convencer Bail, Mothma and Dodonna a atacar Lothal para destruir a fábrica e impedir a construção em massa do TIE-Defender. O crawler pertence à Guilda de Mineradores e é comandado pelo capitão Seevor, um trandoshan (espécie do caçador de recompensas Bossk).

Kanan e Zeb vão verificar o restante do crawler, encontrando Vizago (e respondendo algo que havia me incomodado no episódio inicial) e também o mestre de escravos, que acaba lutando com os dois. Aguardando a resposta em Yavin IV, Hera se cansa e invade a reunião. De volta a Lothal, stormtroopers chegam e os rebeldes conseguem enganar eles, mas perdem o capitão Seevor. Kanan, Zeb e Ezra partem para localizá-lo, mas apenas Ezra é pequeno o suficiente para passar pelos tubos de ventilação. Na batalha final, o capitão escorrega no sabre-de-luz de Ezra e morre ao cair na fundidora.

Sabine contacta Hera e é informada que os rebeldes atacarão Lothal.

Opinião do Jair Yoda – Crawler Commandeers: Esse episódio foi um dos que acabou ofendendo minha inteligência. A lógica de destruir a fábrica é bastante limitada e me incomoda: o que impede o Império de ter outras 20 (ou 200) espalhadas em vários outros planetas da galáxia? O design do TIE existe e, portanto, pode ser fabricado em qualquer lugar, não necessariamente Lothal. O que eu também não entendi é o motivo de terem deixado o capitão consciente e com a boca livre o tempo. OK, rebeldes são bons moços, mas todo o episódio se baseia em deixarem um prisioneiro solto e podendo falar. Em uma nota que não influencia o episódio, também não me agrada muito a existência de chicotes-de-luz nas mãos de seres normais (embora tecnicamente seja um chicote eletrificado e não um chicote-de-luz, é visualmente igual e o resultado é o mesmo).

Trilha Sonora – Rebel Assault: Kanan Revisited by the Wolves (Link)

Curiosidades – Rebel Assault:

  1. Mart Mattin retorna, desta vez como Fênix 2. Ele tem o nome “SAMMIE” escrito em Aurebesh no capacete.
  2. Este episódio marca a estréia dos clássicos X-Wing na série. Eles têm uma pintura verde não vista em Rogue One ou A New Hope, e com bom motivo, dado o destino deles neste episódio.
  3. Vult Skerris tem seu logotipo com chifres no cockpit do seu TIE Defender Elite.
  4. O piloto alienígena, em tom de brincadeira chamado Secon Daree no roteiro, um trocadilho com o som de secondary (secundário, em inglês), é da espécie Lutrillian. Este design alienígena foi desenvolvido para a cantina em Star Wars.
  5. De acordo com o mapa holográfico projetado, mas não visto neste episódio, existem nove estações de artilharia com quatro torres de turbolaser protegendo o perímetro exterior da capital da Lothal.

O Episódio – Rebel Assault: Hera chega com o esquadrão Fênix e suas X-Wings verdes contra incontáveis naves imperiais. Em terra, Sabine, Kanan, Ezra e Zeb entram com a missão de sabotar estações de artilharia. Vult Skerris aparece com o TIE-Defender e se mostra bastante superior aos pilotos rebeldes em suas X-Wings. Porém, a inteligência de Hera é superior, e ela consegue atrair Skerris para uma armadilha, eliminando o piloto e mais duas naves imperiais (incluindo um Star Destroyer).

Thrawn envia uma segunda onda saindo do planeta e apenas a imagem da cara de Hera é suficiente para entender o que está acontecendo e ao longe os rebeldes vêem o que restou da força de ataque rebelde caindo na capital de Lohtal. Thrawn, sabendo da possibilidade de sobreviventes, envia Ruhk. Hera obviamente sobreviveu, mas a antena de Chopper foi danificada, então ele não consegue se comunicar com os Jedi. Ainda assim, Kanan decide ir em missão sozinho para resgatar ela.

Ruhk consegue capturar Secon Daree. Hera escuta um sinal de pedido de ajuda, encontrando Mart e seu dróide e salvando o rapaz dos stormtroopers, ainda que seja tarde para salvar o dróide – sua antena, pelo menos, serve para arrumar Chopper. Ruhk chega logo em seguida, forçando os rebeldes a correr.

O lobo branco novamente aparece para Kanan, retirando-o de sua missão de resgate de Hera. A twi’lek, por sua vez, precisa fazer com que uma das escotilhas de Lothal fique disponível para que os rebeldes possam fugir. O problema é que ela não consegue, forçando Chopper e Mart a irem sem ela, que é capturada por Ruhk. O episódio termina com Kanan recebendo Mart, dizendo que não havia nada que Mart pudesse fazer, mas há algo que ele, Kanan, pode.

Opinião do Jair Yoda – Rebel Assault: É lindo ver as X-Wings pela primeira vez em ação na série, mas é claramente uma missão suicida – tanto que não dura nem os primeiros 10 minutos do episódio. E com essa batalha bastante sombria continua o tom do episódio. Hera é uma personagem que poderia ter mais espaço, além de papel de mãe da tripulação – embora ultimamente tenha saído um pouco disso. Até pela própria posição, agora de General da Aliança Rebelde, Hera está menos presente nas ações do grupo e este episódio é bem vindo por chamar a atenção pra ela. É para ela, não par aos Jedi, que a atenção de Thrawn está virada e é um testamento da sua habilidade enquanto piloto e líder. É uma pena que justamente essa falta de atenção para os Jedi seja, provavelmente, o que fará Thrawn cair. Só não sei ainda como essa série pode terminar bem (afinal é uma série infantil) sem desrespeitar o cânone.

REBELS RECON

Mestre Yoda

Mestre Yoda na verdade se chama Jair e é um engenheiro nerd que se pudesse ganharia dinheiro com Star Wars. Como não pode, fica enfiado nos detalhes do Universo Expandido e das obras para telinha da saga o máximo que pode. Só vê uma possibilidade de Star Wars ser melhor do que é: The Beatles como trilha sonora!

This Post Has One Comment

  1. Wilker Cavalcante

    Esta Série infelizmente ta num rumo que imaginamos mas nao gostamos, ta com cara de todos morrem e só fica um no final, pra dar a “esperança” eterna da saga.

    Assisti os episódios faz mó tempão, mas sem suas análises parece que não vi 10% do contexto.
    Parabéns!!

Comments are closed.