contato@jedicenter.com.br
Hera Fulcrum Hologram

Fulcrum e o desenvolvimento da Rebelião

Durante os quarenta anos de existência da saga Star Wars, e dos quase cinco anos do novo universo estabelecido pela Disney, a Aliança Rebelde possuiu incontáveis heróis. Luke Skywalker, Leia Organa, Han Solo e Chewbacca foram os protagonistas pioneiros da célula rebelde, enquanto mais tarde, Jyn Erso, Cassian Andor, Bodhi Rook, Chirrut Îmwe e Baze Malbus também deixaram os seus nomes marcados ao serem figuras centrais no roubo dos planos da Estrela da Morte. Contudo, não somente dos personagens vistos em Rogue One e nos filmes da trilogia clássica que a Rebelião conseguiu alcançar os seus objetivos e se estabelecer como uma ameaça para o temível Império Galático.

O seriado Star Wars Rebels, transmitido desde 2014 e que terá o seu fim com a quarta temporada (2017), permitiu que entendêssemos o gradual estabelecimento e organização dos rebeldes comandados por Mon Mothma e Bail Organa. A Aliança só tornou-se realidade através da união de grupos divergentes imperais, como o Esquadrão Fênix e a Ghost, formada pelos ilustres Ezra Bridger, Kanan Jarrus, Sabine Wren, Hera Syndulla e Zeb. E essa combinação de equipes não simpatizantes ao Império começou a partir das operações secretas realizadas pelos codinomes Fulcrum, os quais são o tema chave deste artigo.

A origem

Arte da capa de Star Wars: Ahsoka // Fonte: StarWars.com

Por mais que o conceito dos agentes Fulcrum tenha surgido primeiramente em Rebels, a origem do codinome e de sua proposta só ganhou um esclarecimento no livro Star Wars: Ahsoka, que até o momento está disponível apenas para os americanos. Contudo, de forma antecipada e exclusiva, e também como suporte para explicação, a seguir disponibilizamos o trecho final da obra, a qual mostra o contexto em que o nome Fulcrum foi concebido. Se não deseja receber alguns spoilers do enredo de Ahsoka, pule o trecho abaixo.

“Bem, os fazendeiros não podem voltar”, disse Ahsoka. Ela se encostou um pouco na cadeira. Eles ganharam, mas o custo tinha sido alto. “Se eles tentassem, o Império os limparia da superfície da lua sem sequer aterrissar primeiro.”

– Posso reassentá-los em Alderaan, talvez – disse Bail. “Não há muitos deles, e há refugiados suficientes na galáxia que a tomada de Alderaan em algumas centenas não levantará nenhuma suspeita.”

“Eles não querem ser reassentados”, disse Ahsoka. Ela endireitou os ombros.

“Eles querem cooperar.”

Ela podia ver Bail considerando isso. Ela sabia que ele poderia usar as pessoas extras, mas havia algumas desvantagens óbvias. O Império não tinha problemas em usar pessoas mal treinadas como forragem de canhão, mas Bail se recusaria a fazer o mesmo.

“Eles são agricultores, Ahsoka”, ele apontou. “Eles têm apenas o treinamento que você lhes deu.”

“Eles são engenhosos”, disse ela. “E de qualquer maneira, seus rebeldes têm que comer, não é?”

Bail riu.

“Vou mandar alguém falar com eles, e vamos ver o que podemos fazer”, disse ele. “Existem alguns planetas que nos serviriam para uma base agrícola, e podemos começar a treinar qualquer pessoa que esteja interessada em pilotagem ou uso de armas”.

Ficaram sentados em silêncio por um momento, e então Bail inclinou-se para a frente.

“Eles me disseram que seus novos sabres de luz são brancos,” ele disse, e ela ouviu um temor em sua voz. – Posso vê-los?

Estava suficientemente seguro no escritório de Bail, cercado pelo vazio do espaço. Ahsoka se levantou e tirou os sabres de luz do lado dela. Ela os ativou e o escritório de Bail estava coberto de uma luz suave branca, brilhando pelas janelas e refletindo as estrelas. O escritório era muito menor do que uma sala de treinamento, sendo de bordo, mas ela fez algumas das formas básicas para ele de qualquer maneira. Ela nunca ficaria cansada da forma como brilhavam. Ela não tinha pensado que alguma vez substituiria seus verdes originais, e ela ainda tinha que terminar as alças, mas estas estavam funcionando bem.

“Eles são lindos, Ahsoka”, disse ele.

Ela os desligou, curvou-se ligeiramente, e se sentou de volta.

“Eu nunca vi um branco antes,” Bail meditou.

“Eles costumavam ser vermelhos”, disse Ahsoka. “Quando a criatura os tinha, eles eram vermelhos. Mas eu os ouvi antes de vê-lo em Raada, e sabia que eles eram feitos para mim.

– Você mudou a natureza deles? – ele perguntou.

– Eu os restaurei – respondeu Ahsoka. “Eu os liberei. Os cristais vermelhos foram corrompidos pelo lado negro quando aqueles que os empunharam os usaram à sua vontade. Eles chamam isso de fazer o sangue sangrar. É por isso que a lâmina está vermelha.

– Eu tinha me perguntado sobre isso – disse Bail. “Eu passei muito tempo com os Jedi, mas eu nunca fiz perguntas sobre de onde seus sabres de luz vieram. Eu acho que eles não teriam me contado de qualquer maneira. “

“Estes são familiares”, disse Ahsoka. “Se eu tivesse que adivinhar, eu diria que eles foram saqueados do próprio Templo Jedi.”

“Isso levanta algumas possibilidades muito desconfortáveis”, disse Bail. “Para não mencionar uma série de perigos potenciais para um Padawan.”

“Eu não sou mais um Padawan, senador, e não é seguro ser Ahsoka Tano”, disse ela. “Barriss Offee estava errada sobre um monte de coisas. Deixou sua raiva nublar seu julgamento e tentou justificar suas ações sem considerar seus efeitos mais largos. Ela tinha medo da guerra e não confiava nas pessoas que deveria ter escutado. Mas ela tinha um ponto sobre a República e os Jedi. Havia algo de errado com eles, e estávamos muito trancados em nossas tradições para ver o que era. Barriss deveria ter feito outra coisa. Ela não deveria ter matado ninguém, e ela definitivamente não deveria ter me enquadrado nisso, mas se tivéssemos escutado ela – realmente ouvido – poderíamos ter sido capazes de parar Palpatine antes que ele tomasse o poder. “

“O Chanceler jogou muito bem”, disse Bail. Ele falou a palavra chanceler com algum veneno, e Ahsoka sabia que lhe dava grande satisfação não dizer imperador quando estavam conversando de forma privada. “Ele nos manteve tão ocupados nas sombras que não notamos quais das sombras eram reais.”

“Eu pensei que tinha me resolvido com a guerra, mas talvez eu não saiba fazer qualquer outra coisa”, disse Ahsoka. “Eu tentei me desvincilhar, mas eu continuei sendo atraída de volta.”

Bail pensou em Obi-Wan, sentado sozinho em algum mundo da Orla Exterior. O seu sacrifício era se retirar do caminho, concentrar-se apenas no futuro e não dar qualquer pensamento ao presente. Seria um modo solitário de viver, mesmo que fosse pacífico, e Bail não o invejava.

“Eu acho”, ele disse cuidadosamente, “que você e eu estamos destinados a concentrar-se no presente.”

“O que você quer dizer?” Ahsoka perguntou.

“Nesta luta, haverá pessoas como Barriss que estão focadas no passado”, disse ele. “E haverá outras pessoas que se concentrarão fortemente no futuro. Nenhum deles está errado, exatamente, mas mesmo que não sigamos sempre o mesmo caminho um do outro, o nosso deve ser o caminho do meio. ” Ahsoka sorriu.

Ahsoka sorriu.

“Foi o que pensei quando estava tentando encontrar os cristais que alimentam meus sabres de luz”, disse ela. “Eu não queria ficar sozinha, mas eu não queria ser uma general ou mesmo uma Padawan mais. Quero algo no meio disso, ainda útil, mas diferente do que antes. “

A nave saiu do hiperespaço. Eles ainda estavam um pouco distantes do planeta, mas Bail gostava de olhar para o sistema quando ele estava voltando para casa. “Eu estava pensando sobre o que eu fiz em Raada,” Ahsoka disse. “No começo foi difícil, porque ninguém me ouvia. Você me disse mais tarde que você estava ciente de que algo estava acontecendo, mas você não podia intervir. E eu não conseguia descobrir como se comunicar com eles. Eles tinham prioridades diferentes, e porque eu não podia me explicar, muitas pessoas morreram. “

– Isso não é culpa sua – disse Bail.

– Eu sei – disse ela. – Mas é como se fosse. Ele assentiu. Ela suspeitava que ele também era bom em se culpar pelas coisas. “Então aconteceu de novo quando você enviou Chardri Tage e Tamsin atrás de mim”, disse Ahsoka.

“Eles não tinham informações suficientes, e eu não sabia das prioridades. Tudo o que vi foi um raio trator e dois estranhos com blasters. “

– Chardri nunca vai me perdoar por isso – admitiu Bail. “Eu errei nessa.”

“Meu ponto é, ambas as coisas poderiam ter sido evitadas se você tivesse melhores canais de comunicação”, disse ela. Bail suspirou.

– Eu sei – disse ele. “Tudo o que estou tentando construir é muito novo e muito frágil. Nós não estamos tão seguros quanto eu gostaria que estivéssemos, e as coisas vazam através das rachaduras como resultado. “

“Eu posso te ajudar com isso, eu acho”, disse Ahsoka.

– Como? – perguntou Bail.

“Durante as Guerras Clônicas, eu trabalhei com muitas pessoas”, disse Ahsoka. “Eu lutei ao lado de clones, que obedeceram ordens minhas mesmo que eu não tivesse a experiência deles. Assisti à política em uma dúzia de mundos diferentes. Eu ajudei a treinar pessoas que nunca tiveram um blaster em suas vidas. Quando eu fiz tudo isso, eu tinha os Jedi para me apoiar, mas acho que eu poderia fazer um trabalho tão bom com você. “

– Você quer recrutar pessoas? – perguntou Bail.

– Não exatamente – disse ela. “Embora se eu encontrar boas pessoas, eu certamente tentaria trazê-las para a causa. Quero levar seus recrutas e encontrar missões para eles. Eu quero ser aquela que ouve o que as pessoas precisam, que descobre o que as pessoas podem fazer e então as ajuda a fazê-las “.

“Você quer assumir o controle de minhas redes de inteligência”, disse ele.

“Quem as controla agora?” Ela perguntou.

“Ninguém, realmente,” ele disse a ela. “Isso é a maior parte do problema.”

“Então é aí que eu vou começar”, disse ela. “Você pode me dar uma nave? Eu perdi a minha. “

“Nós podemos modificar algo para você com bastante facilidade,” ele disse, com um sorriso no rosto. “Eu conheço apenas o droide para o trabalho.”

– Obrigada – disse ela. “É bom ter uma missão de novo.”

“Eu acho que vou acabar muito mais tendo uma dívida para com você, mas você é bem-vinda”, disse ele.

“Então, estamos quites. Vamos parar de contar o que um deve para o outro. Vou estar bastante ocupada.”

“Do que eu vou chamá-la, se eu não posso chamá-la de Ahsoka?” Ele perguntou.

“Você precisará de um codinome no mínimo, para que você possa lidar com outros agentes.” Eles olharam para fora da janela de visualização enquanto Alderaan crescia cada vez mais. Realmente era um planeta bonito, embora Ahsoka sempre sentiria falta da grama sussurrante em Raada. Alderaan era azul e verde, e um bom ponto de parada para uma revolta galáctica. O centro, onde o fio de todas as suas esperanças estariam conectados.

– Fulcrum – disse ela. – Pode me chamar Fulcrum.

– Então, bem-vinda à Rebelião.

Por meio da passagem exibida, podemos notar que a Rebelião originalmente não continha uma sistematização. O que estamos vendo no final de Star Wars Rebels, e o que já assistimos em Rogue One e no Episódio IV é uma fase bem avançada da Aliança, na qual suas forças estão reunidas e delimitadas. Portanto, inicialmente os planos de Bail Organa e dos demais rebeldes eram descentralizados, ou seja, a luta contra o Império na etapa do livro Star Wars: Ahsoka configura-se muito mais como um sonho do que uma situação real, plausível.

Nesse contexto, a antiga aprendiz de Anakin Skywalker preenche uma lacuna gigantesca na Rebelião, propondo o recrutamento e união das forças anti-imperiais espalhadas pela galáxia.  Com isso, apoiado no desfecho da obra, inúmeros outros agentes Fulcrum começaram a surgir, da mesma forma que vários recrutas e simpatizantes da causa. Sintetizando, o panorama visto e comentado sobre como os rebeldes estão dispostos na trilogia clássica só foi possível, em grande parte, graças a esta conversa apresentada entre Ahsoka e Bail.

Para finalizar este tópico referente à origem do codinome Fulcrum, cabe comentar certa parte interessante no diálogo dos dois, por mais que seja um assunto desconexo com o assunto principal da postagem. Quando Ahsoka cita Barriss, padawan vista em alguns episódios do seriado The Clone Wars, ela e Organa comentam acerca de “permanecer no meio”, seguir um caminho alternativo. Essa é uma pauta extremamente atual nas discussões relacionadas a Star Wars, sobretudo as vinculadas a The Last Jedi e Rebels. Assim sendo, achei apropriado destacar o tema presente também neste livro, e que ao que tudo indica será bem mais rotineiro até o lançamento do Episódio VIII.

Os Integrantes

Analisando as principais mídias do cânone de Star Wars, Cassian Andor, Ahsoka Tano e Kallus despontam como os três agentes Fulcrum conhecidos dentro da Aliança Rebelde. A seguir, você pode conferir detalhes desses personagens e suas missões executadas no papel de espiões rebeldes.

Cassian Andor

Cassian Andor

Cassian Andor nasceu no planeta Fest ao longo das Guerras Clônicas, período em que se juntou a uma célula apoiada pela Confederação de Sistemas Independentes que lutava contra o governo da República. Segundo o livro Rogue One: The Ultimate Visual Guide, Andor teve sua primeira experiência de combate como um soldado ainda na infância, lançando pedras nas forças republicanas.

No Databank de Star Wars, é dito que Cassian integrou à Aliança depois de ser recrutado pelo General Davits Draven. Ele assumiu o rank de capitão, servindo o ramo da inteligência dos rebeldes e consequentemente se enquadrando como um Fulcrum. Andor manteve uma rede de contatos em toda a galáxia que o mantinha informado sobre as atividades do Império.

Essa vasta lista de comunicação recebe relevância no início de Rogue One, quando Cassian foi despachado em uma missão ao Anel de Kafrene onde encontrou Tivik, um informante rebelde dos partidários de Saw Gerrera. Através de Tivik, Andor soube que o Império tinha construído a Estrela de Morte.

Mesmo que por enquanto não exista uma boa quantidade de informações vinculadas a Cassian e sua atuação na espionagem, informações válidas foram disponibilizadas no título Rogue One: Rebel Dossier, publicado somente em três países (Canada, Austrália e Nova Zelândia). Em uma reunião convocada pela comandante Mon Mothma, o general Draven descreveu Andor como “um dos agentes mais capazes dentro da inteligência rebelde” com a habilidade de cumprir incontáveis missões, desde do reconhecimento ao assassinato e à sabotagem. Draven também disse que Cassian era capaz de analisar e agir sem a necessidade de entrar em contato com os seus superiores. Mothma, no entanto, preocupada com as coisas terríveis que Andor fez em nome da Rebelião, questionou se a Aliança estava fazendo o suficiente para ajudar soldados como Andor a lidar com os danos psicológicos infligidos por suas ações. Isso mostra claramente o envolvimento de Cassian para com a causa, e nos faz imaginar as missões realizadas por ele na função de Fulcrum.

Kallus

Agente Kallus // Fonte: FanSided

Kallus nasceu em Coruscant antes dos acontecimentos do Episódio I. Depois que a República caiu, ele decidiu servir à academia imperial. Por lá, Kallus estudou sob os conselhos de Wullf Yularen, antigo oficial republicano, que o considerou um de seus pupilos mais promissores. Posteriormente, Kallus juntou-se à Secretaria de Segurança Imperial, que era uma força-tarefa secreta que perseguia e destruía atividades rebeldes em toda a galáxia.

Durante carreira como um agente imperial, Kallus conduziu seu próprio pelotão de stormtroopers. Certo dia, ele e seus soldados foram convocados para trazer ordem ao planeta Onderon, que foi deixado no caos após as Guerras Clônicas. Ao executarem uma patrulha de rotina pelo mundo, um rebelde da espécie Lasat, que trabalhava para Saw Gerrera, emboscou o grupo e nocauteou Kallus. Quando ele despertou, foi forçado a assistir seu esquadrão ser brutalmente assassinado, fato que marcou muito a vida de Kallus e gerou consequências em futuras missões.

Enfurecido com os acontecimentos em Onderon, Kallus tomou parte na limpeza do planeta Lasan, no qual a espécie do planeta, o Lasat, estava quase destruída. O agente imperial deu a ordem para que as tropas usassem rifles de disjuntor de íons contra a população. Esses rifles eram poderosos o suficiente para desabilitar naves e provocaram resultados terríveis quando usados contra os Lasat.

Como um Agente do Gabinete de Segurança Imperial, Kallus sempre acreditou na causa do Império e mantinha lealdade para com o Imperador. Ele detestava as atividade rebeldes, sobretudo após o ocorrido em Onderon, e fazia do trabalho de sua vida assegurar a estabilidade dentro da galáxia. Através de sua posição, Kallus esperava alcançar maior proeminência dentro do Império. Mesmo assim, ele desistiu de várias ofertas de promoção, a fim de permanecer na linha de frente contra os soldados da Aliança.

Contudo, Kallus não era tão maligno como parecia ser especialmente na primeira temporada de Star Wars Rebels. Ele ficou com receio ao permitir a execução de Cumberlayne Aresko e Myles Grint sob as ordens do Grand Moff Tarkin, aos quais ele tinha uma excelente impressão. Kallus também revelou seu lado mais vulnerável quando foi forçado a cooperar com Zeb para sobreviver. Nesse momento, o agente revelou ser alguém bastante magoado com o passado, e que na verdade usava a raiva para esconder suas decepções. Além disso, outro fator que mostrou o lado bom de Kallus antes de ele se tornar um Fulcrum, foi permitir que o próprio Zeb fugisse junto da tripulação da Ghost sem que os imperiais ficassem sabendo do ocorrido.

Após esse encontro, as dúvidas de Kallus começaram a crescer. Eventualmente, o atraíram para lutar pela Rebelião. Ele passou a trabalhar como espião sob o pseudônimo Fulcrum, fornecendo informações secretas para a Aliança através de mensagens transmitidas. Em uma de suas primeiras missões, Kallus informou aos rebeldes sobre a presença de cadetes na Academia Imperial Skystrike que queriam se desvencilhar do Império. Um desses dissidentes era o famoso Wedge Antilles, que esteve na destruição da primeira e segunda Estrela da Morte, e recebeu a ajuda de Sabine e dos outros tripulantes da Ghost para fugir do comando imperial.

Tendo executado seu primeiro dever como Fulcrum com sucesso, Kallus auxiliou novamente a Aliança ao informar a respeito de uma nova arma imperial desenvolvida no Complexo Armory. Graças à alta taxa de veículos defeituosos produzidos pela fábrica em Lothal, o Alto Comando Imperial despachou o Grande Almirante Thrawn para restaurar a ordem e investigar a existência de saboteadores. Na verdade, uma célula rebelde liderada pelo ex-governador Ryder Azadi estava sabotando os veículos.

Com a governadora Pryce e o tenente Yogar Lyste, o agente Kallus convocou os trabalhadores das fábricas para uma assembléia. Thrawn deu um discurso repreendendo os operários pela sua produção de baixa qualidade. O almirante logo forçou Morad Sumar, membro do movimento de Azadi, a demonstrar o funcionamento de uma Speeder. O motor, anteriormente sabotado pelo funcionário, explodiu durante a demonstração do teste, matando Sumar. Kallus ficou horrorizado com o ocorrido, mas Pryce sorriu ironicamente. Thrawn ordenou que seus subordinados fechassem a fábrica e interrogassem os trabalhadores. No entanto, Ezra, Kanan e Chopper (infiltrados) conseguiram escapar da revista.

Detectando Ezra e Kanan em seus disfarces de stormtrooper, Kallus os conduziu a um elevador localizado na fábrica. Dentro do veículo, o antigo inimigo da tripulação da Ghost conseguiu convencê-los de que agora ele era um aliado, identificando-se como Fulcrum e citando o código “by the light of Lothal’s moons“. Kallus também recordou que tinha feito amizade com Zeb em Bahryn e ajudado Sabine a escapar com Wedge em Skystrike.

Antes de partir, Kanan convenceu Kallus a enviar um sinal para Ryder Azadi. O agente Fulcrum levou os rebeldes a uma estação de comunicação e fingiu lutar contra eles. Ezra e Kanan logo em seguida conseguiram usar seus blasters e lightsabers para atordoar os soldados e o oficial que comandava a estação. Kallus permitiu também que Chopper carregasse o link de Kanan a partir da porta da estação. Depois que eles entraram em contato com Ryder, Kallus lhes disse para irem ao portão leste, onde encontrariam a saída. De forma a parecer que Kallus tentara impedir a fuga, Ezra jogou o agente contra o monitor de vidro, tirando quaisquer suspeitas do seu novo aliado.

Passado certo tempo, Kallus ganhou conhecimento do plano de Thrawn em despachar droides infiltrados nos Territórios da Orla Exterior para procurar bases rebeldes. Sob o papel de Fulcrum, o oficial imperial enviou uma transmissão à Chopper, alertando os seus amigos de que o Império estava enviando droides espiões E-XD pela galáxia. Ele também acrescentou que os imperiais haviam perdido contato com um deles e logo viria buscá-lo. O comunicado de Kallus fez Zeb perceber que o droide de protocolo “desviado” o qual ele encontrou na verdade era um desses droides infiltrados. Sabendo disso, os tripulantes da Ghost reprogramaram o EXD-9 em uma bomba improvisada para explodir um Destróier Estelar.

Kallus estava na ponte de outro Destróier Estelar quando testemunhou o plano de seus colegas em ação. Fingindo raiva, ele perguntou o que aconteceu. Um oficial informou-lhe que uma das ogivas de prótons do droide infiltrador tinha saído prematuramente. O agente sorriu secretamente e depois enviou uma nova transmissão, agradecendo aos rebeldes pelo plano brilhante. Sucessivamente, ele visitou Thrawn e noticiou que os rebeldes reprogramaram um droide em uma bomba improvisada. Ambos concordaram que o plano tinha sido muito inteligente. Quando Kallus notou que o Almirante estava feliz demais com a trágica e inesperada situação, Thrawn disse friamente que sua busca por um espião tinha sido reduzida para 94 sistemas.

As transmissões Fulcrum de Kallus acabaram atraindo o Grande Almirante Thrawn, que iniciou uma investigação dos oficiais de comando no setor de Lothal. A célula rebelde dos Espectros descobriu que Thrawn estava perto de desvendar o trabalho de Kallus como um agente duplo, e com isso decidiram resgatar o seu parceiro. Como parte do plano, Ezra, Chopper e AP-5 roubaram uma nave do porto espacial de Lothal. Eles acabaram aceitando serem capturados pelo Cruzador de Kallus, que foi capitaneado pelo tenente Yogar Lyste.

O Fulcrum acabou se encontrando com Ezra no Cruzador e soube sobre a investigação secreta de Thrawn. Antes que eles pudessem ajudar Kallus, o tenente Lyste informou ao agente que o Grande Almirante havia convocado ambos para uma reunião a bordo de seu Destróier Estelar. Para proteger Ezra, Kallus afirmou que o prisioneiro era um caçador de recompensas de Lothal. Procurando redimir sua imagem após o incidente com a Princesa Leia Organa, Lyste providenciou que Ezra fosse levado a bordo da nave de Thrawn.

Sabendo que Thrawn estava perto de descobrir sua identidade, Kallus decidiu acusar Lyste como sendo o codinome Fulcrum. Paralelamente, ele levou Lyste a acreditar que a governadora Pryce também era um Fulcrum e disse-lhe para espioná-lo. Depois de encontrar AP-5 e Chopper, o agente libertou Ezra de sua cela e contou-lhe sobre a busca de Thrawn pela base rebelde de Atollon. Kallus tentou convencer o garoto em dar a localização da base rebelde para que ele pudesse excluí-lo da base de dados. Não acreditando plenamente no oficial, Ezra insistiu que Kallus aguardasse até que o tivessem extraído da Chimaera. Logo em seguida, a AP-5 conseguiu persuadir Ezra a apoiar o plano de Kallus ao apontar que ele poderia obter um novo conjunto de códigos de autorização do escritório de Thrawn.

Depois de enganar Lyste, Kallus deu um conjunto de uniformes imperiais para Ezra. Os dois então se infiltraram no escritório de Thrawn, onde Kallus instruiu Chopper para substituir Atollon dos arquivos por outro planeta. Antes que pudessem partir, Thrawn voltou ao escritório. Para distrair o Almirante, Kallus reprogramou os droides sentinela com o objetivo de atacá-lo, e assim jogar a culpa em cima de Lyste.

De volta ao hangar da Chimaera, Kallus abordou Lyste e derrubou-o no chão. Nesse ponto, o Fulcrum mudou de ideia e disse a seus amigos que ficaria para continuar fornecendo informações do Império. Quando Yularen finalmente chegou, Kallus publicamente acusou Lyste de ser o agente infiltrado.

Lyste tentou protestar contra sua inocência, mas Kallus permaneceu impassível. Mais tarde, Kallus participou de uma reunião com Pryce, Yularen e Thrawn. Yularen afirmou que o código do cilindro de Lyste o entregava como sendo o Fulcrum. Pryce comprou a explicação de Kallus enquanto o agente pediu desculpas a Thrawn por não parar a suposta tentativa de assassinato de Lyste. Thrawn elogiou publicamente Kallus por seus serviços. No entanto, em uma conversa particular, o Grande Almirante informou a Yularen que Kallus era o Fulcrum verdadeiro. Em vez de prendê-lo, Thrawn decidiu usar Kallus para levá-los à base rebelde.

Fonte: GeekExchange

Algum tempo depois que Lyste foi preso, Kallus espionou uma conversa entre Thrawn, Tarkin, Pryce e o Almirante Konstantine. A partir do diálogo, o agente soube que o Grande Almirante estava ciente de que o esquadrão Phoenix e o grupo do general Jan Dodonna planejavam um ataque às fábricas imperiais em Lothal. Kallus voltou para a antiga casa de Ezra e tentou avisar os rebeldes que Thrawn sabia de seus planos. Porém, o sinal do transmissor estava sendo interferido por Thrawn e Kallus só conseguiu transmitir um fragmento de sua mensagem.

Notando algo de errado, Kallus encontrou Thrawn atrás dele. O Fulcrum tentou lutar contra o Almirante, mas foi capturado pelos Death Troopers. Thrawn usou as trajetórias da frota do General Dodonna e os sinais de Kallus para identificar a localização da Chopper Base no planeta Atollon. Kallus foi levado então para a ponte da Chimaera e forçado a assistir a batalha em cativeiro, na presença de Thrawn e da governadora Pryce.

Depois que os rebeldes quebraram o bloqueio de Thrawn em Atollon, Kallus brincou com Pryce sobre mais um de seus fracassos. Irritada, a governadora ordenou a seus soldados que o expulsassem da nave. Conhecendo o treinamento imperial, Kallus facilmente dominou os troopers e fugiu do Destróier usando um pod de emergência. Após entrar em contato com Hera, ele foi pego pela tripulação da Ghost. Uma vez a bordo, Kallus agradeceu a Kanan e definitivamente se juntou a Rebelião.

Ahsoka Tano

Ahsoka Tano // Fonte: Nerdist

Quatorze anos depois da queda da República, Ahsoka juntou-se a um movimento rebelde contra o governo imperial, trabalhando junto dos senadores Bail Organa e Mon Mothma. Nesse período, a antiga aprendiz de Anakin assumiu o papel de codinome Fulcrum (conforme apresentado no início do artigo), responsável por estabelecer comunicações com diversas células rebeldes espalhadas na galáxia. Um desses grupos dos quais ela interagiu foi com a tripulação da Ghost, que operava em torno do planeta Lothal. Ela falava inicialmente apenas com Hera Syndulla, identificando-se somente pelo código secreto.

Após o Império ter capturado Kanan e os membros da Ghost terem espalhado mensagens de cunho rebelde a setores da galáxia, Ahsoka contatou Hera e a dissuadiu de tentar salvar Jarrus. A Fulcrum lembrá-la de que Kanan sabia dos riscos de sua missão, e que Ezra – o último Jedi da equipe – era muito importante para a Rebelião. Contudo, a equipe ignorou os avisos de Ahsoka e partiram em uma missão com o intuito de resgatar Kanan.

Os rebeldes logo descobriram que Jarrus estava preso no Soberano, o Destróier Estelar de Grand Moff Tarkin, em órbita de Mustafar. A tripulação conseguiu resgatá-lo, mas foi logo dominada pelas forças imperiais. Chopper então contatou o agente “Fulcrum” e solicitou reforços. Ahsoka e uma frota de naves chegaram ao planeta e ajudaram a equipe da Ghost a escapar. Quando os rebeldes estavam seguros e longe de Mustafar, Tano revelou sua identidade e os disse que faziam parte de um movimento rebelde mais amplo.

Seguidamente a união da Ghost com o Esquadrão Phoenix, Ahsoka atuou como mentora e conselheira dos rebeldes mais novos. Ela teve uma afinidade particular com Kanan e seu aprendiz Ezra Bridger. Durante o Cerco Imperial de Lothal, Ahsoka junto com Hera, Kanan e o Comandante da Phoenix, Jun Sato, sancionaram uma missão para resgatar a Ministra Imperial Maketh Tua, que queria fugir do Império. A tripulação da Ghost voltou para Lothal, mas entrou em uma armadilha estabelecida por Darth Vader, o ex-mentor e amigo de Ahsoka.

A partir deste momento, Ahsoka continuou a dar dicas tanto para Ezra quanto para Kanan em suas missões, lutando contra os Inquisidores restantes e até mesmo reencontrando seu antigo parceiro, o General Rex. Entretanto, a criadora do projeto Fulcrum acabou cedendo em um duelo no planeta de Malachor contra seu velho mestre, Darth Vader. Ela decidiu não abandoná-lo como fizera na época das Guerras Clônicas, quando abandonou a Ordem Jedi e deixou Anakin Skywalker sozinho. Mesmo com o mistério sobre o destino de Ahsoka, é inegável que ela tenha sido importante para a Aliança e uma figura central no desenvolvimento da tripulação da Ghost, em especial Ezra e Kanan.

Lucas Dirani

Fanático por Star Wars desde os 6 anos, teve o seu primeiro contato com a saga assistindo os filmes da trilogia clássica e jogando Super Star Wars de SNES. Atualmente escreve para o site Jedicenter e coleciona todos os materiais da franquia, desde livros/HQs até action figures.
  • Pois é, antes de sair a notícia de que as HQs do Darth Vader falavam sobre as cores do feixe de luz dos cristais do sabre, eu já sabia que esse livro já dava um esclarecimento sobre isso.

    E eu não sabia que Cassian era Fulcrum. De onde é essa informação? O filme não fala isso, fala?

    PS: Me incomoda sempre que vejo esses textos usando nomes em inglês mesmo quando se tem um nome oficial no Brasil…

    • Lucas Dirani

      Obrigado pelo feedback! No caso, a opção de usar a maioria das nomenclaturas em inglês foi por minha preferência e estar mais acostumado com os termos. Mas caso seja vontade da maioria do pessoal que lê, posso mudar com todo o prazer. Sobre o Cassian, realmente a informação de ele ser um Fulcrum não é citada diretamente no Rogue One. Ela está presente em outros materiais, como o guia visual do filme (disponível também no Brasil). Isso deve ser mais explorado em sua HQ com o K.

      • Eu imaginei que era por conta de pesquisas no Google, que nomes em inglês acabaria sendo mais fácil. Já vi sites fazendo por esse motivo.
        Obrigado por responder. Gostei muito da matéria

        • Lucas Dirani

          As pesquisas também acabam me influenciando a escrever em inglês a maioria dos nomes em Star Wars. Enfim, eu que agradeço pela participação. Esperamos te ver em outras postagens por aqui 🙂